“Livre” é um adjetivo usado pra qualificar e definir, por exemplo, a cultura, a música, o trabalho, o mercado, a associação, o software, as relações, os povos, as pessoas…

Dar mais conteúdo ao “livre”, articulando vários aspectos da liberdade é um desafio e tanto, que não é necessariamente interessante pra tudo que se define como livre. O livre mercado dos EUA e das transnacionais, por exemplo, se chama de livre, mas (além de depender – e muito – dos Estados), se baseia na exploração do trabalho dos povos e no controle da biodiversidade e dos nossos territórios.

A “música livre” pode ser mais livre do que só das gravadoras e do ECAD.

O objetivo desse post é tentar contribuir com o debate sobre música livre, especificamente com o processo de construção do festival internacional de música livre, mesmo sendo só uma ouvinte. Assim como eu, tem muita gente que quer que a música livre contribua, ativamente, com a liberdade das mulheres. E por isso, já dissemos em alguns lugares que a música também tem que ser livre do machismo.

E, por que apostar que este – e não outro – processo de construção pode incorporar essa perspectiva, que é feminista?

Primeiro porque no principal movimento que impulsiona este festival (o MPB) tem pessoas, coletivos e bandas explicitamente feministas, ou que apoiam de alguma forma o feminismo. E porque a definição em torno da qual se organiza a proposta do festival se orienta a transformar estruturas marcadas pelo monopólio e concentração de recursos e poder, e a construir alternativas mais horizontais e democráticas. Além de ser um processo construído de forma ampla e aberta. E que é contra hegemônico. E está escrito na convocatória do lançamento que a inclusão das mulheres é um aspecto do festival =)

Tudo isso não significa que o festival vai automaticamente incorporar de forma ativa uma perspectiva feminista, mas é um processo que já tem a faca e o queijo na mão.

O discurso, que já existe, tem que ganhar forma e se transformar em prática.

 

Mas, por que mesmo???

 

Primeiro porque a organização da música livre se dá em uma sociedade que ainda exclui e discrimina as mulheres, uma sociedade que é ao mesmo tempo machista, racista e homofóbica. E qualquer iniciativa que a gente tenha nesse mundo, aqui e agora, pode reproduzir, mesmo de forma inconsciente, desigualdades e discriminações que dominam as nossas relações, que são valores hegemônicos.

A gente pode identificar alguns mecanismos machistas desse mundo de hoje e ver como se refletem na música.

  1. Separação do que é trabalho de homem e trabalho de mulher, que a gente chama de divisão sexual do trabalho. É o mecanismo que historicamente exclui as mulheres do mundo público e que faz com que ainda haja uma super desigualdade salarial no Brasil. Mulheres ganham em média 67% do salário dos homens, as mulheres negras ganham menos que as mulheres brancas. Isso também acontece no mundo da música? Operador de luz, de som e holdies costumam ser homens, enquanto as mulheres geralmente costumam fazer maquiagem, cuidar do figurino d@s artistas e ficarem bonitas na porta recepcionando convidad@s. E quem toca bateria e guitarra? Na maioria das vezes, são homens. A gente sabe que não é por ter menos capacidade pra tocar instrumentos (e se você ainda achar isso, olha como você tá equivocado: Anne Paceo, Ellen Oléria, Esperanza Spalding, Some Community…). Então… até tem, mas são poucas mulheres instrumentistas. Por que??? E como muda isso?
  2. Mercantilização do corpo das mulheres – tá presente nas propagandas de cerveja, na indústria do turismo sexual – em qualquer lugar que as mulheres sejam tratadas como mercadoria, julgadas e “valorizadas” a partir do seu corpo. E no mundo da música? Tem uns grupos musicais que tocam no Faustão em que o único espaço da mulher é dançando de shortinhos, e tem que ter corpão. Muitas meninas que tocam em banda relatam que no palco são julgadas não pela música que fazem, mas pelo corpo, e por serem mulheres – fiu fiu, gostosa, etc é mais comum do que elogios ou críticas às mulheres pela sua produção como artistas.

  3. Violência contra a mulher. A cada dois minutos, cinco mulheres são vítimas de violência no Brasil. 16% de mulheres já levaram tapas, empurrões ou foram sacudidas, 16% sofreram xingamentos e ofensas recorrentes devido a sua conduta sexual e 15% foram controladas a respeito do local aonde iam e com quem sairiam. Além disso, 13% sofreram ameaças de surra e 10% já foi de fato espancada ao menos uma vez na vida. A violência sexista, além da agressão física, pode ser de várias formas. E isso tem na música? O exemplo mais forte que vem na cabeça são as letras de música que legitimam a violência e desqualificam as mulheres, tipo “um tapinha não dói”, ou “Eu tô achando que esta mulher danada Ficou mal acostumada e tá gostando de apanhar Ajoelha e chora”, ou “Quero uma mulher que saiba lavar e cozinha, que de manhã cedo me acorde na hora de trabalhar”, ou “mulher finge bem, casar é negócio”, ou “Subi no muro do quintal e vi uma transa que não é normal. E ninguém vai acreditar, eu vi duas mulher botando aranha prá brigar… vem cá mulher deixa de manha minha cobra quer comer sua aranha” …. 

 

A música pode ser livre do machismo!

 

E a convocatória do Festival aponta pra isso, ao afirmar que

 

(…)Observamos uma histórica segregação das mulheres em determinados espaços na sociedade, da qual deriva a situação de discriminação, invisibilidade e desvalorização da produção das mulheres presente, ainda hoje, também no âmbito da cultura. Queremos, através do Festival, contribuir para a inserção das mulheres em todas as etapas do processo de produção cultural.

 

Então, aqui vão umas ideias soltas que podem servir pra cumprir esse objetivo:

O machismo poderia ser um assunto presente nas discussões preparatórias do festival. Só de ser um assunto, isso passa a ter visibilidade, e vira uma questão que não pode ser ignorada. Como o machismo se reproduz na música e na cultura? Como é possível combatê-lo? O feminismo também pode ser um assunto =)

Poderia ter espaço pra aprender com as experiencias de festivais organizados com o objetivo de inserir as mulheres, como o mulheres no volante, o festival da mulher afro latinoamericana e caribenha, ou com a organização das mulheres no Hip Hop, enfim, tem várias experiencias. No Brasil e fora do Brasil – já que o festival é internacional. Um exemplo é a Gals Rock. Cada grupo que organiza estes espaços tem um monte de acúmulo pra socializar.

Poderia ter um incentivo concreto pra participação das mulheres. Na política, existem cotas mínimas para as mulheres, como uma ação afirmativa. E no festival da música livre, o que pode ser? Dá pra fazer um esquema tipo as cotas? Ou algum compromisso concreto de inserção das mulheres, oficinas específicas pra mulheres, ou outra forma que a criatividade coletiva inventar. E aí é legal pensar em todas as etapas da produção, e todas as partes que compõem o festival: as bandas, as produtoras, as técnicas, as debatedoras nas mesas, etc, etc, etc.

Poderia ter uma atividade preparatória que faça o debate sobre as mulheres na música, sobre música livre do machismo…

Já que o Festival faz referencia ao Forum Social Mundial, poderia ter alguma coisa parecida com a Politica de igualdade, proposta pela Marcha Mundial das Mulheres e a REMTE, e aprovada no FSM. Entre as definições dessa política estava a declaração do FSM como um território livre da violência contra a mulher.

Poderia ser critério pros patrocinadores ou fornecedores de cerveja a não mercantilização do corpo das mulheres em sua publicidade.

 

Poderia ser um monte de coisas, mas pra ser assim, tem que ser um objetivo do festival que a música livre também seja livre do machismo, contribuindo assim pras mulheres serem mais livres nesse mundo.

Querer-se livre é também querer livres os outros.

Que nada nos defina. Que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância.

(Simone de Beauvoir)

 

 

Anúncios

6 comentários sobre “Um convite a ser mais livre

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s