Quando aquela propaganda da Paris Hilton foi feita, muita gente falou que a gente não tinha que reclamar da Devassa e esquecer da Antártica, ou da Brahma, ou da Skol. Era o tipo de argumento que realmente não tem nem memória histórica, nem quer entender exatamente o que a gente quer dizer quando fala sobre a mercantilização do corpo e da vida das mulheres.

Primeiro porque a gente nunca disse que as outras eram “ok”, que o problema mesmo era a Devassa. Segundo porque essa não foi a primeira propaganda de cerveja criticada pelas feministas. Terceiro porque a gente não critica as propagandas sexistas de cervejas de forma isolada do que é a crítica ao machismo em geral.

O vídeo da fuzarca feminista “Você é o que você bebe?” ajuda muito nesse debate. Não foi a publicidade que inventou o uso do corpo das mulheres pra ganhar dinheiro. Ela reproduz, reforça, exacerba e reinventa o machismo. E funciona, porque essas propagandas são produzidas e veiculadas nessa sociedade machista. Então as pessoas aceitam, é “natural”. A gente não vive no país das bundas? Qual o problema de ter uma propaganda de cerveja que mostra mais peitos e bundas que a própria cerveja? É “tranquilo”, assim como os cartões postais das bundas na praia, ou o guia de turismo que tem as mulheres “fáceis” como atração, ou os serviços de agenciamento de prostituição em vários flats e hotéis.

Na sociedade do espetáculo e do consumo, tudo tá tão errado que pra você ser coerente é melhor entrar numa bolha ou abstrair e se acostumar: se você não vai combater, o tempo todo, exatamente tudo o que é capitalista, machista e racista, é melhor nem começar. Focar na Devassa e não falar da Skol é o argumento que você dá pra quem quer viver num mundo em que as mulheres continuem a venda desqualificar toda a sua argumentação.

Mas eu vou insistir nesse risco aí.

Tenho ficado muito enraivecida com a naturalidade da aceitação dessa cerveja em casas de show, festivais de música, festas do movimento estudantil, bares da esquina e do Alexandre Youssef.

Não é só a publicidade machista que garante que essa cerveja esteja em todos os lugares. Tem uma estratégia de marketing muito grande e ofensiva. Tem freezer e mesa de madeira da Devassa em cada vez mais bares. O preço caiu (junto com a qualidade). E, sim, quem vende Devassa contribui com o machismo dessa cerveja, e com o machismo dessa sociedade.

E não é só a publicidade machista que nos incomoda nessa cerveja, mesmo eles insistindo em reforçar machismo e racismo sem nem pensar duas vezes.

A concepção da cerveja é toda machista. Já era quando não era vendida em lata no supermercado. A loira, a ruiva, a negra, a índia. A nossa história, de colonização e escravidão, já comprovou o interesse dos europeus pela mulher índia e negra, respectivamente. E essa cerveja vem agora usar o mesmo elemento de exploração e dominação que há séculos mantém o patriarcado, pra ser sucesso também nos pubs na Europa.

E aí, com a mesma naturalidade com que você toma Devassa numa festa simplesmente porque não tem outra opção, a própria palavra “devassa” de repente tá super no vocabulário de uma geração que não usava antes a palavra. E não é só pra chamar a cerveja, é pra chamar as mulheres. Já ouvi mais de uma vez.

E, o significado de devassa, pra chamar uma mulher, eu não preciso nem dizer, né?

De novo, caimos na velha questão: não foi a devassa que criou o machismo que mercantiliza o corpo e controla o desejo das mulheres, que separa as mulheres em santas e putas, em mulheres que são pra casar e nas que são só pra dar umazinha. Mas toda essa estratégia reproduz, dissemina e reinventa o machismo.

Tudo isso, além do gosto, faz da Devassa uma cerveja ruim, que eu não tomo.


Anúncios

13 comentários sobre “Devassa: não tomo, e chamo de machista quem vende.

  1. Poucas pessoas percebem que, com o poder que as grandes corporações têm hoje, cada consumo que realizamos possui peso de voto. A grande diferença é que votamos a cada dois anos, mas consumimos várias vezes por dia. Se no voto somos em grande parte desleixados, como esperar que escolhamos nossos objetos de consumo de melhor maneira?

    Fico então com uma enorme dúvida. Será que um dia teremos uma sociedade suficientemente politizada onde valha a pena realizar este tipo de consumo? É claro que, para nossa consciência, escolhermos seguindo nossos princípios é sempre um alívio.

    E também têm o seguinte. O povo, que somos nós, escolhe por presença na mente. Quanto mais presente, mais vende (e mais fácil se ganha eleição) É por isso que a estratégia de colocar um nome polêmico foi uma grande sacada de marketing. Há muito espaço para criar polêmica até que a rejeição do produto pelo povo supere as vendas geradas pela curiosidade e presença no espaço publicitário.

    De qualquer forma, concordo contigo de que esta marca é, até então, o ápice do machismo entre as cervejas.

    Putz, pensei em mais uma coisa interessante. Numa certa época no passado, seriam grandes as chances de esta cerveja ser proibida, pelo bem da moral e dos bons costumes. Então, de certa forma, a marca também representa um ponto a favor da liberdade da mulher. A “devassidão” da mulher já é algo mais aceitável. Ao ponto de ser propagandeada pela nossa querida Paris. O que você acha disso?

    Abraço,

    Igor

  2. Tipo… Existe um fato da natureza que por mais que você queira combater o machismo, jamais mudará. Vou digitar devagar: HOMEM. ADORA. GOSTOSAS. Simples! Está no comercial da Axe, está nas modelos que ficam nos boxes de formula um, está em todo lugar! Quer atrair a atenção de um homem? Coloque uma modelo gostosa! É isso! Não é machismo! Se é que é pra classificar isso de alguma coisa, eu classificaria como chantagem biológica, simples! Feministas querem que os homens enxerguem o mundo como as mulheres enxergam: emocionalmente, racionalmente… Não dá! Eles não conseguem! Existem os mais educados, existem os mais intelectuais, existem até os mais frígidos, mas que passe uma gostosa do lado: eles NÃO conseguem deixar de olhar. Fato.

    Então não dá pra esperar que ninguém queira ganhar dinehiro com isso. E principalmente, não esqueça de que as gostosas também lucram! Elas são pagas pra mostrar o corpo, elas trabalham esse corpo como o negócio delas – usam o dinheiro que recebem para mantê-lo e ganhar mais. E eu não vejo mais liberdade feminina do que poder optar em usar seu próprio corpo como negócio e ninguém ter nada com isso. Porque é isso que nós temos com as modelos, prostitutas, etc: NADA. O que elas fazem ou deixam de fazer com os corpos delas é problema delas.

    Então, se é pra reclamar de machismo, vamos falar das defasagens salariais no mercado, dos babacas que acham que possuem as mulheres quando se relacionam com elas, e daí dão tiros nelas quando elas não fazem o que eles querem, enfim, dessas coisas. E vamos deixar o mundo dos negócios fora disso, porque o capitalismo é essa máquina devoradora mesmo, e enquanto nossa sociedade insistir em achar que esse é o melhor modo de vida para todos nós, pouco há que possamos fazer além de tentar mostrar as melhores alternativas para isso e ir levando nossas vidas como podemos.

    Abraços.

    1. Para vc,nada mais osmos do que bundas e peitos.Me pergunto se gostaria de ver as mulheres da sua família nestas condições que vc descreve como “naturais”.Este é o fato,não esta besteirada sexista que escreveu.Até diris que nem amor sente por qualquer namorada/esposa que já teve,já que somos apenas corpos desfrutáveis ao seu ver,nunca seres-humanos.

      E como vc espera que nós mulheres tenhamos iguais salário,já que isso para vc é importante,se somos representadas como bundas? Se somos bundas,somos tratadas como tal: assédio sexual,estupros,salários menores,pouca representação política,homens que acham que são donos das mulheres como vc citou,etc.

      Sugiro que procure conversar com prostitutas para vc ver se a vida delas é tão divertida e que foi uma escolha feliz como vc alega…e até sugiro que sua mãe,irmã,filha,etc se tornem uma.Se é bom para algumas mulheres,deve ser bom para eças também.Se minha sugestão te ofende,significa que suas palavras são carregadas de hipocrisia machista.

  3. Tanto quanto a mulher sofre uma pressão enorme para ser linda, gostosa, boa de cama, boa esposa, boa mãe, profissional etc, os homens por sua vez também sofrem! Os homens tem que ter o p… grande, não podem broxar, têm que comparecer, e agora também estão sendo obrigados a malhar, ficar forte, se depilar, tem homem até fazendo cirurgia plástica, igual as mulheres. Isso é resultado do nosso mundo consumista, não é mais “privilégio”das mulheres sofrerem esse tipo de pressão social.

    Acho cruel com os homens esse discurso sempre batendo na mesma tecla de que os homens oprimem as mulheres. Apesar de ainda existirem muitos resquícios do machismo, as mulheres hoje em dia também estão oprimindo os homens em muitos aspectos. É como se as mulheres quisessem se vingar. Eles estão acuados e amedrontados. Isso não é saudável. É esse tipo de sociedade que queremos?? Não. O homem e a mulher são diferentes e essas diferenças tem que ser respeitadas, claro, sempre condenando qualquer tipo de violência ou desrespeito.

    1. Tá certo…nós mulheres é que somos grandes empresárias que pagamos 30% a menos para os homens;somos nos que publicamos revistas dizendo que eles devem ser todos fortes e gostosos e que se não tiverem nos nosso padrões,serão ridicularizados em programas humorísticos;somos n´so que fazemos piadas sobre a violência que eles sofrem;somos nós que cometemos violência doméstica contra eles;somos nós que os estupramos por aí.;somos nós que os assediamos no ambiente de trabalho e os ameaçmos se eles não cederem;somos nós que criamos demanda para a exploração sexual deles,afinal,são os homens as vítimas do tráfico para exploração sexual,não é?
      coitados dos homens acuados e maendrontados! Somo nós mulheres que os oprimimos não é?

      O que não é saudável é negar a crueldade machista que ainda é forte e dissimulada.O não-saudável é vc se recusar asentir empatia por mulheres que nem vc e ficar se solidarizando com homens que se fazem de vítima perante as reações femininas contra os abusos masculinos.

      Impressionante como tem mulher que memso perante tantas estatísticas horrendas de violência de gênero vem falar uma besteirada dessas!Até piada de estupro e comunidades do orkut que pregam estupro coletivo de lésbicas estão naturalizadas e tem mulher que ainda vem escrever uma coisa insana dessas!

  4. Patrícia,

    Não é porque existe o machismo que tu pode vir aqui e dizer que homem é tudo igual.

    Tem homem que não faz questão de virar o pescoço (que francamente, é energia gasta pra nada) quando passa uma tal “gostosa”.

    Tem homem que não assiste propaganda de cerveja.

    Tem muito homem feminista (ou anti-machista). Mas muito.

    Não é porque tu ta acostumada a não enxergar isso que te é concedido o direito de dizer que homem é tudo igual fazendo afirmações categóricas porque não é.

  5. Sabiam que a Natureza reservou certas características só para HOMEM e outras só para MULHER?

    Naturalmente, os homens são atraídos pelas mulheres gostosas, porque fazer disto um cavalo de batalha? Ser “gostosa”, atualmente, está ao alcance de todas…
    Cerveja, os brasileiros sempre consumiram.

    Pois bem, qual o problema com a Sandy, ela é uma cantora super afinada, desde criança, e é difícil acreditar q ela tenha sido “modelo” de bulimia e anorexia, se acompanhou o seu desenvolvimento físico, porque não aceitar que é o biotipo dela ser magra???

    Deixem a Sandy seguir com a vida dela.

    1. então,as diferenças entre homens e mulher justificam nossa exploração sexual? A nosa meta de vida então é sermos “gostosas”?

      lamentável ter uma mulher( se é que é uma mulher memso postando) com esta visão que estamos ni mundo para sermos corpos desfrutáveis.

  6. A cerveja Devassa existe desde 2001 esse ano completa 10 anos no mercado é uma cervejaria Carioca que começou aparecer aqui em Sampa em 2008, ela é do grupo Schincariol. Tive o desprazer de conhecer essa cerveja no SPFashionWeek que ela era uma das patrocinadoras até tente argumentar com o Paulo Borges, do evento ter um publico feminino com 99% de mulheres e na epoca era lançamento das Perolas cervejas (Loira, Ruiva, Negra Índia e Sarara) com um texto discriminatório oferecendo a mulher como um prato. Saboreie uma Devassa Loura acompanhada de peixes, frangos, saladas ou molhos, pois seu aroma leve e sabor suave favorecem o acompanhamento desses pratos.
    Tem um texto no site que fala da mulher devassa que mudei e coloquei A cerveja para o Garanhão e mandei para o vice presidente Sr. Gilberto Schincariol. Enalteci todos as qualidades que estavam no feminismo e passei para o masculino, vou ver se acho esse texto . Sempre provoquei essa empresa e a sua agencia de propaganda a MOND o responsável é o Sr, Augusto Cruz Neto.
    A mulher é livre para ser o que ela quer o que lutamos é sobre a coisificação do nosso corpo para vender a Devassa não precisa usar nomes pejorativos nem adjetivos de Loira, Ruiva e etc.
    Quero respeito ao nosso corpo não precisa usar essas ações tão baixa e sem criatividade veja essa propaganda do EUA é sobre cerveja usa a mulher, mas passa uma forma criativa que não desvaloriza a imagem da mulher.

    A Sandy foi um modelo de mulher Santa, Virgem, Limpinha que não arrotava era o sonho de consumo do João gordo que lembra o Ratão querendo a princesa.
    Sua imagem deve ter atormentado muita garotas rebeldes da epoca que não conseguia satisfazer o sonhos de suas mães através desse modelo de garota comportada. Agora ela é a DEVASSA, ESSA PALAVRA não liberta nenhuma Mulher apenas aprisiona aos modelos Machista desta sociedade Patriarcal.
    Imagina as adolescente da epoca que foram atormentadas por esse modelo de mulher certinha hoje vê a Sandy como uma DEVASSA.

  7. Eu só sei que no frigir dos ovos a Devassa está se dando bem. Nunca se viu tanta discussão em torno de uma propaganda de cerveja. E SandY, talvez queria era isso, ressurgir e achou um jeito bem polêmico: uma santa que vira puta ou ela é uma santa- puta… e só nós não sabiamos…

  8. A julgar pelos comentários que reafirmam de forma subjetiva a naturalização do machismo,temos muito que lutar.O problema é que avulgarização da mulher não faz parta da agenda feminista no Brasil,pior isso temos tanta gente que defende a vulgarização da mulher como um direito sagrado masculino,exemplo:

    “Quer atrair a atenção de um homem? Coloque uma modelo gostosa! É isso! Não é machismo”

    O cara nem pára para refletir porque não usam homens gostosos para nos trair ( vai ver que ele acredita naquele papo que não gostamos de homens atranetes…)nas propagandas e nem as consequências que isso pode ter até para as mulheres da fanília dele!

    “E eu não vejo mais liberdade feminina do que poder optar em usar seu próprio corpo como negócio e ninguém ter nada com isso. Porque é isso que nós temos com as modelos, prostitutas, etc: NADA. O que elas fazem ou deixam de fazer com os corpos delas é problema delas.”

    Objetificação da mulher é um direito nosso,obviamente porque favorece os homens.O que eles defendem é o direito deles de ter “mulher para trepar”,nenhum gostaria de ver as mulheres da família neste papel,mas eles defendem para “as outras”.Ainda nos ofende alegando que prostituição,violência machista máxima contra a mulher,é uma escolha.

    E mais uma vez a “natureza primitiva masculina” sendo usada como desculpa(lembrando que o crime de estupor também é justificado desta forma):

    “Feministas querem que os homens enxerguem o mundo como as mulheres enxergam: emocionalmente, racionalmente… Não dá! ”
    E o pior,uma “mulher” ( se é que não é um homem se apoossando da palavra feminina,como muitos fazem na internete) revalidando as “características naturais”:

    “Sabiam que a Natureza reservou certas características só para HOMEM e outras só para MULHER?”

    Sem mencionar a que teve pena dos pobres homens vítimas das revindicações das mulheres….como se tivéssimos poderes institucionais tais como eles tem para que isso fosse possível.Tática cruel de backlash que reforça a idéia que a paz e a ordem sociede está quando a mulher se cala e aceita seu papel “natural”.

    Em suma,não somos gentes,somos bundas,peitos e vaginas e estamos n0o mundo para stisfazer os homens,qualquer reclamação nossa é paranóia.Os mesmos discursos de 100 anos atrás.

    O que precisamos é parar de ficar perdendo tempo com agenciadores da opresão feminina e nos organizarmos melhor contra nossa mercantilização.

  9. Acho que os produtos femininos deveriam explorar, em sua publicidade o corpo do homem nu também. Direitos iguais! Só eu tenho que ter o corpo escultural, oras?!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s