Esse mundo é realmente muito androcêntrico. A história, a literatura, as artes, a economia, a ciência… Em algumas áreas mais, em outras menos, a maioria das referências que temos são masculinas.

Descobri hoje Aphra Behn. Achei massa.

Ela nasceu em 1640, na Inglaterra e escreveu ensaios e obras de teatro. Além de ter conseguido destaque e influenciar  a literatura inglesa, ela disse umas verdades sobre os homens e o machismo de sua época.

Denunciou os homens que chamavam as mulheres de ignorantes, quando eles mesmos eram os que proibiam que as mulheres estudassem latim e grego, por exemplo. Dizia também que é a sociedade que inferioriza as mulheres, e não a anatomia e a biologia. Isso bem antes de ter sido elaborado o conceito de gênero, ou da organização do feminismo.

Virginia Woolf, sobre Aphra Behn, em Um teto todo seu:

Aphra Behn provou que era possível ganhar dinheiro escrevendo, talvez com o sacrifício de certas qualidades agradáveis; e assim, gradativamente, escrever tornou-se não um mero sinal de loucura e de uma mente perturbada, mas passou a ter importância prática. O marido poderia morrer, ou alguma desgraça atingir-lhe a família. Centenas de mulheres começaram, no decorrer do século XVIII, a contribuir para o provimento das despesas pessoais ou ir em socorro da família, fazendo traduções ou escrevendo os inúmeros romances de má qualidade que deixaram de ser registrados até mesmo nos compêndios, mas que podem ser obtidos nas caixas de quatropence na Charing Cross Road. A extrema atividade mental que se revelou entre as mulheres no final do século XVIII — as conversas, as reuniões, a redação de ensaios sobre Shakespeare, a tradução dos clássicos — baseou-se no sólido fato de que as mulheres podiam ganhar dinheiro escrevendo. O dinheiro dignifica aquilo que é frívolo quando não é remunerado. Talvez ainda fosse de bom-tom torcer o nariz para as “literatas com ânsias de escrevinhar”, mas não se podia negar que elas conseguiam pôr dinheiro na bolsa. Assim no término do século XVIII promoveu-se uma mudança que, se eu estivesse reescrevendo a história, descreveria mais integralmente e consideraria de maior importância do que as Cruzadas ou as Guerras das Rosas: a mulher da classe média começou a escrever. Porque, se Orgulho e preconceito tem alguma importância, se têm alguma importância Middlemarch e Villette e O morro dos ventos uivantes, então é muito mais importante que eu consiga provar, numa conferência de uma hora, que as mulheres em geral, e não apenas a aristocrata solitária encerrada em sua casa de campo, em meio a seus fólios e aduladores, começaram a gostar de escrever. Sem aquelas precursoras, Jane Austen e as Brontës e George Eliot não teriam tido maior possibilidade de escrever do que teria Shakespeare sem Marlowe, ou Marlowe sem Chaucer, ou Chaucer sem aqueles poetas esquecidos que prepararam o terreno e domaram a selvageria natural da língua. As obras-primas não são frutos isolados e solitários; são o resultado de muitos anos de pensar em conjunto, de um pensar através do corpo das pessoas, de modo que a experiência da massa está por trás da voz isolada. Jane Austen deveria ter depositado uma coroa de flores na sepultura de Fanny Burney, e George Eliot deveria ter rendido homenagem à sombra resoluta de Eliza Carter — a brava senhora que amarrou uma sineta na armação de sua cama para que pudesse acordar cedo e estudar grego. Todas as mulheres reunidas deveriam derramar flores sobre o túmulo de Aphra Behn, que está, escandalosamente, mas com muita propriedade, na Abadia de Westminster, pois foi ela quem lhes assegurou o direito de dizerem o que pensam. É ela — por mais suspeita e sensual que tenha sido — que me faz parecer não muito fantástico o que vou dizer-lhes esta noite: “Ganhem quinhentas libras anuais com sua inteligência”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s